SLIDER

JOANA CARDOSO


PORTO,PT
27 anos, plus-size blogger e fotógrafa

N E W S L E T T E R

La La Land


Depois de ver tantas publicações de outros bloggers desde que o La La Land saiu na passada semana, pensei se deveria ou não vir dar a minha humilde contribuição sobre o assunto e assim decidi fazê-lo, caso tenham interesse em saber o que pensei sobre este filme que tem causado todo um burburinho nos últimos tempos e que está nomeado a 14 Prémios da Academia (Oscars) igualando o mesmo número de nomeações do famoso Titanic.


Devo dizer desde já que eu vi este filme com expectativas muito altas, sou louca por musicais, dos clássicos, bem antigos, até aos mais recentes e passando até pelos menos conhecidos, pelo menos por cá. Adoro um bom filme, uma boa história e se tiver música a acompanhar com direito a danças e tudo mais, então tem quase tudo para me conquistar. As minhas expectativas, posso dizer, não foram defraudadas, muito pelo contrário! Adorei cada minuto e no dia seguinte já cantarolava as músicas como se fosse um filme que conhece-se desde à anos. E assim passei a última semana a ouvir a banda sonoro em modo repeat.


Sem contar muito da história, para vos deixar ainda com mais curiosidade de irem ver o filme ao cinema, deixo-vos apenas o essencial.

O filme conta a história de um rapaz e de uma rapariga, não se conhecem mas ambos têm grandes sonhos. Ela sonha em ser actriz, ele sonha em abrir o seu próprio clube de Jazz. Os seus caminhos cruzam-se algumas vezes, como que por acaso, até que ambos decidem que talvez haja algo mais ali.

A partir daí toda história se desenrola e existe realmente uma história para além do musical. A história é forte, é verdadeira e real, e acho que no fundo é isso que nos cativa ao longo de todo o filme. Apesar da cantoria que começa do nada e das coreografias sincronizadas, que relembram os musicais dos anos 50, 60 e 70 (por exemplo o Serenata à Chuva), a história está presente e funcionaria mesmo sem a banda sonora fabulosa que a acompanha e que foi composta pelo maravilhoso Justin Hurwitz.


Há algo que nos faz sentir muito próximos das personagens principais, e não é só a química inquestionável entra a Emma Stone e o Ryan Gosling, mas há de facto algo ali que nos faz sentir que parte daquela história é também nossa e muita coisa acaba por nos fazer sentir uma proximidade muito grande com a história a qualquer ponto do filme.

Nem a Emma, nem o Ryan são dançarinos exímios, nem cantores estrondosos, mas acho que essa crueza singular dá uma sensação de ainda maior realidade ao filme. A verdade é que são pouco mais de duas horas em que existe pano para mangas. Dá para rir, chorar, dançar, sentir e suster a respiração com cada emoção e cada momento, tudo isto vivido sem vergonha e sem nos apercebermos até estarmos a ver o filme e a viver cada segundo como se fizéssemos parte do enredo.

Claro que podia ficar aqui a falar infinitamente mas acho que nada melhor existe do verem por vocês mesmos porque vale realmente a pena e tenho a certeza que vai arrecadar prémios atrás de prémios nos Oscars.



xxxxxxx

Que me dizem a mais reviews de filmes?

5 comments

  1. Já eu, que não gosto nada de musicais, já vi este duas vezes e acho que não vou ficar por aqui!

    ReplyDelete
  2. O filme é mesmo lindo. Ando com a "City of Stars" na minha cabeça há imenso tempo. Apetece ver e rever :)
    Beijinhos!

    ReplyDelete
  3. Quero taaaaaaaaaaaaaanto ir ver! Beijinho

    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ReplyDelete
  4. Fui vê-lo ontem à noite. É tão mas tão bom. Adorei adorei*

    ReplyDelete

© The Paper and Ink • Theme by Maira G.