SLIDER

JOANA CARDOSO


PORTO,PT
27 anos, plus-size blogger e fotógrafa

A gorda, prazer!



Não sei será de andar doente, pouco inspirada ou andar numa fase que ando muito resmungona, mas dei por mim a escrever esta publicação do modo "quero lá saber, vou ser sincera e ponto final". Sei que ao longo de quase oito anos de blog houve alguns momentos em que decidi abrir o jogo com vocês sobre muita coisa. 

Ora falei da alopecia e do hirsutismo, falei-vos da minha mudança de vida em que deixei a licenciatura congelada, falei-vos em parte sobre ser feminista (tema que não esgotei, nem de perto), falei-vos de muita coisa ao longo dos anos e sei que a partir de agora irei falar ainda mais porque decidi que o blog não é só um local de partilha de coisas bonitas, experiências divertidas ou produtos jeitosos que compro ou recebo, nem outfits que visto. O blog é para ser uma voz para o mundo, ou para quem o lê, e deve expressar aquilo que eu sinto, penso e acredito, mesmo que seja sempre de um modo muito politicamente correcto (mesmo que nem sempre o seja).


Hoje falo-vos sobre um tema que não é novo aqui no blog: o facto de eu ser gorda!

A imagem acima não abriu esta publicação porque não quero ferir susceptibilidades, mesmo acreditando que o o raio de umas mamas num soutien não devia ferir a susceptibilidade a ninguém, mas como por esse mundo fora há pessoas tão...nem sei que palavra usar...decidi guardar a foto para quem quer realmente ler esta publicação. Se as mamas vos incomodam não continuem! Se uma gorda que tira fotos a ela mesma de soutien vos incomoda, não continuem e boa viagem, porque por aqui acreditamos que respeitar o corpo e as escolhas de cada um é algo muito bonito.

Mas bem, voltando ao tema de "ser gorda". Não é novidade para ninguém, desde há quase oito anos que mostro fotos de mim mesma e nunca escondi que tenho peso mais, coxas grossas que roçam uma na outra, uma barriga roliça e um pequeno par de mamas...sim, porque para muita gente ser gorda implica que uma gaja tenha de ter uma bela prateleira mas esse não é o caso.

Desde há oito anos que lido com muita gente que me apoia e me diz "fazes muito bem" ou "é assim mesmo, devia haver mais gente como tu", porém também já lidei com tanto fat-shamming e anónimos mesquinhos que por momentos achei que tinha voltado aos anos de adolescência.


Nos dois campos, dos que apoiam e dos que mal falam, existem subgrupos. Nesses subgrupos há pessoas que adoro, que me fazem sentir bem, enquanto que noutros há pessoas com quem nem perco tempo, com quem quero perder tempo e dar uma lição e com outras que só me apetece mandar a certos locais mas não o faço para manter um certo nível.

A parte engraçada é que as pessoas a quem quero dar uma lição existem nos que me apoiam e nos que não o fazem. A segunda facção nem vale a pena ser mencionada, são os bullies da vida real e do mundo virtual, são pessoas mesquinhas com quem lidei toda a minha existência enquanto gorda, enquanto mulher, enquanto marrona (sim, apanhei porrada por tirar boas notas), enquanto tudo e mais alguma coisa, porque para algumas pessoas tudo serve como pretexto para arranjarem porcaria.

Mas bem, foquemos a nossa atenção no grupo de pessoas que são encorajadoras ou que o pensam ser.

"És uma inspiração!", "Devia haver mais pessoas como tu, sem medo de mostrarem que uma pessoa gorda se pode vestir bem", "Fazes muito bem de mostrares as coisas como elas são, sem medos". Estes são o tipo de comentários que sabem bem ouvir (ou ler), que me deixam feliz porque talvez a minha indiferença ao preconceito dê frutos nem que seja em apenas algumas pessoas que passam a perceber que eu posso ser tão ou mais fashion que qualquer outra rapariga com peso a menos ou a mais. São coisas como estas que me encorajam a continuar, a aceitar falar sobre a temática plus-size em entrevistas ou em eventos e que me faz querer debruçar ainda mais sobre o tema.


O que me irrita, das pessoas que acham que são encorajadoras são o tipo de comentários que a seguir menciono (apenas uma pequeníssima amostra).

"É mesmo assim! Mulheres como tu (ou nós), assim com curvas, é que são mulheres de verdade"
Desculpem lá, mas isto não!! Mulheres de verdade são todas e quaisquer mulheres que tenham (1) uma vagina ou (2) se identifiquem como mulheres (o caso de transsexuais em fase de transição ou já completamente transaccionados, por exemplo). Nenhuma mulher deixa de ser mulher, ou é menos mulher, por vestir um 28 ou um 58. O género feminino não se rege por uma etiqueta numa peça de roupa, nem pelo perímetro abdominal ou curvas possíveis de existirem no nosso corpo. Assim sendo este comentário não é inspirador, nem bom.

"Gordinhas como nós é que são bonitas."
Outro NÃO. Gordura não é formosura, ao contrário do ditado, mas também magreza não o é. Eu ser gorda, ou magra, ou com o peso ideal não quer dizer que eu sou mais ou menos bonita que X, Y ou Z. A minha beleza poderá ser medida, estupidamente, pelos padrões estipulados pela sociedade reinante actual. Por exemplo, posso ser bonita por ter uma cara simétrica, umas boas sobrancelhas, uns olhos bonitos...mas isso são factores e padrões em constante mutação. Ou seja, gordinhas são bonitas, magrinhas são bonitas, todas as mulheres são bonitas ou então não são. Há pessoas feias, é certo, mas até nos feios a beleza reside, basta saber ver para além daquilo que temos como pré-formatado pela sociedade em que estamos incluídos. Clichés à parte, a beleza parte do interior de cada um, afinal, e este ditado é muito mais assertado: "Quem feio ama, bonito lhe parece".

"Acho que sabes conjugar bem as peças para uma pessoa como tu."
Ok...este comentário pode ter tão de bom como me pode tirar absolutamente do sério. Se por um lado agradeço imenso por dizerem que sou boa a conjugar certas peças, por outro lado irrita-me o "pessoa como tu" ou "pessoas como tu", como se fôssemos uma espécie ou raça à parte, completamente estranha, com algum problema ou diferença que nos faz sobressair no meio dos humanos (do género Avatar). O que são mesmo as "pessoas como tu"? Os gordos? As mulheres? As pessoas que têm alguma confiança nelas mesmas e não têm medo de arriscar? Não entendo mas deixa-me com uma espécie de comichão psicossomática que não sei bem como coçar. Meus caros, eu sou uma pessoa normal, humana, com peso a mais como tantosss outros humanos mas só que tenho um blog, gosto de moda e gosto de me vestir como eu quero e me sinto bem. É isso que é ser uma "pessoa como tu"? Se sim, obrigada, se não é isso alguém me explique mas de modo gentil porque eu posso ser muito explosiva.


Não acredito no fat-shamming mas também não tolero que rebaixem outras pessoas para me fazer sentir bem de que modo seja. Cada um sabe de si, do seu peso, das suas escolhas, do que decide vestir, fazer, dizer. Eu sou gorda, sem problemas, gosto de moda, gosto de compras, de me vestir bem segundo aquilo que gosto e gosto de partilhar isto com vocês, neste espaço que é o blog. Quero continuar a fazê-lo mas para tal acredito que também tenho de ser sincera com as pequenas coisas que me tiram do sério e me irritam com quem por aqui passa ou já passou.

Este post não é uma ofensa directa a ninguém, por favor não o pensem. Nada se passou para que eu viesse para aqui disparar palavras. Foi, como disse no princípio da publicação, talvez pelo facto de estar doente, com falta de inspiração ou porque ando seriamente resmungona, mas nada mais do que isso.

A publicação já vai longa e na verdade acho que não toquei em tantos aspectos quantos gostaria mas por agora fico-me por aqui, deixar que a poeira assente e talvez ouvir a opinião de quem está desse lado.

xxxxxxx

As fotos foram feitas a título pessoal, em modo de self-portraiture (foi assim que inicei a minha aventura no mundo da fotografia) mas que para mim serviram perfeitamente para ilustrar esta publicação).

51 comments

  1. Vai Jo! Vai Jo!

    És a maior, babe. E é essa confiança toda que faz de ti maravilhosa! És gira que se farta, és talentosa como o caralhinho e és desbocada como eu, e eu tenho uma sorte monumental por estar na tua vida e tu estares na minha!

    ReplyDelete
    Replies
    1. A confiança que vai e volta,mas sabes como isto é. Desbocadas para sempre, e quem quiser que tape os ouvidos!!!
      Isso digo eu, a sorte é minha por te ter na minha vida!

      Delete
  2. clap clap clap
    E mais não digo ;)

    Ah digo: as fotos estão muito boas e eu tinha colocado a segunda na capa do post ahah =)

    Beijinhos
    Kat
    http://6800milhas.blogspot.pt/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada!!!

      E obrigada de novo! Eu acho que ainda hoje não colocava,não fosse deitar o site do Bloglovin' abaixo por exposição indecente. Ahah!

      Delete
  3. És sim uma inspiração e nunca te esqueças disso.
    No mundo em que vivemos hoje, ter a "coragem" ( não é preciso ter coragem, mas é algo menos aceite e que pode trazer o pessoal do fat-shamming para o nosso lado só por isso é que uso o termo "coragem") de meter os pontos nos "i", despir de preconceitos e publicar estas fotos bem pessoais em prol de abrir mentes é mesmo de louvar - mas não me admira, vindo de ti porque és uma pessoa cheia de garra. Só que quero dizer: Um grande obrigada, de outra gorda ;)

    Beijinho!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Se para isso me basta dizer o que me vai na alma, então que seja. Acho que sermos verdadeiras é meio caminho andado para inspirarmos quem quer que seja.
      Obrigada eu, pelas palavras, pela força e por tudo mais!

      Delete
  4. Já sofri de fat shamming, de bullying, de tudo e mais alguma coisa em relação ao meu peso. A mim, os comentários mais típicos são "És tão bonita, é só pena que não possas emagrecer uns quilinhos" ou o típico "Para uma pessoa como tu, és mesmo bonita". É tão bom ler este tipo de publicações onde falamos sobre a beleza das mulheres sem problemas e onde percebemos que o mundo não está tão cheio de preconceito como imaginávamos. As fotos estão lindíssimas e tu és lindíssima, sem quês nem porquês.
    Muito obrigada por isto <3

    ReplyDelete
    Replies
    1. Essas são as coisas que mais se ouvem, em que as pessoas pensam que estão a elogiar quando de facto estão ali mesmo a atirar algo tão negativo, sem entenderem por vezes que esse tipo de conversa não vai mudar como ou quem somos.
      Obrigada eu!

      Delete
  5. Sou magra porque sou! Não faço por isso, como (até mais que muita gente), como bem, muito bem! Só não engordo, não consigo engordar. E o que muita gente não percebe é que o tom com que se diz "és tão magra" magoa tanto como poderia magoar um "és tão gorda" a quem fosse gordo. O problema está mesmo em que o chamar "gordo" a alguém efetivamente gordo é politicamente incorreto. Enquanto que chamar magro "não ofende". Ofende sim! E magoa. Muito!
    Por isso mesmo obrigada por este texto! És lindíssima e, tenho que admitir, quando comecei a ler pensei "Vá, vamos lá para mais um texto de 'sou bonita com as minhas curvas'. És, sim! Mas isso não implica que só as mulheres com curvas sejam bonitas.
    Obrigada! Do fundo do coração

    ReplyDelete
    Replies
    1. Não tenhas vergonha de ser magra, como eu não tenho vergonha de ser gorda. Sabes que mais, abraça o chamarem-te magra, porque quando alguém usar isso como algo pejorativo vais estar já "vacinada" contra isso. A mim podem-me chamar gorda, eu mesma digo que sou gorda porque sou efectivamente gorda, e não como para isso, ao contrário do que muitos dizem, mas também sei a realidade com que me deparo frente ao espelho e deixe que isso fosse uma arma que pudessem usar contra mim.
      Obrigada eu, aqui acreditasse que todas as mulheres são bonitas, quero sejam gordas, magras, baixas, altas ou mesmo que lhes falte algo.

      Delete
  6. Este post deveria ser lido e relido!
    Não conhecia o teu blog mas o título do post despertou a minha atenção.
    Todos temos a nossa beleza e são precisamente as nossas diferenças que nos tornam únicos. A etiqueta é realmente apenas um nº e está sem dúvida sobrevalorizada.
    Vou continuar a seguir o teu blog pois precisamos de um mundo assim, livre de estereótipos e preconceitos!
    Beijinhos*

    http://mymemoriesmyworld2014.blogspot.pt/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Acho que consegui chegar a imensa gente quase "sem querer" e ainda bem que aqui chegaste também.
      É isso! As diferenças tornam tudo mais mágico, o mundo mais bonito e a vida tão mais interessante.
      Obrigada.

      Delete
  7. Antes de mais: estas fotos estão um sonho, rapariga, estás linda! Então a última <3

    Passando ao teu texto: caramba. Merecias que mais pessoas te dessem ouvidos, a sério. O mundo consegue ser tão mesquinho, tão estereotipado, tão ridículo. E a prova disso é as crianças e adolescentes, que deveriam ser as mentes mais puras, conseguirem absorver tudo o que de pior há nos preconceitos que a sociedade nos impõe - e essa de levar no corpo por tirares boas notas foi close to the heart para mim, nunca me bateram na escola mas a violência psicológica era uma constante também. O que só prova o que muitas vezes move a sociedade: a necessidade de um indivíduo se sentir superior a outro e, em vez de celebrarmos as conquistas de cada um, sentirmos necessidade de os menosprezar. O mesmo se passa em relação à confiança quanto à nossa imagem. Apercebi-me que à medida que fui ganhando amor próprio, fui percebendo quem realmente gosta de mim e quem me foi colando uma etiqueta de "convencida" - lol. Quem me dera a mim nunca ter que dizer a nenhuma amiga que "estás a fazer filmes, tu és linda". Mas tenho. Porque se ela disser isso mesmo dela, está a ser "convencida".

    Ainda há a ideia do "és tão bonita, só precisavas de perder uns quilinhos" e do "estás tão magrinha que pareces doente". Há. Mas são pessoas tão fortes e que agarram o touro pelos cornos como tu que vão mudando as mentalidades. És uma força da natureza :) haja saúde - e essa há em todos os tamanhos e tipos de curvas ou falta delas - e tod@s podemos explorar o nosso potencial em força máxima!

    E por favor continua com posts destes, é um prazer ler-te!

    Jiji

    ReplyDelete
    Replies
    1. É o que acontece quando se quer voltar aos tempos áureos do auto-retrato conceptual. Ahahah!

      O mundo é assim porque infelizmente muita gente o faz assim, o torna num poço imundo de ideias estúpidas, pré-concebidas e que mete toda a gente em caixinhas.

      A violência psicológica é dos piores tipos que pode existir, sei disso na primeira pessoa, mas também apanhei fisicamente, mas o que mais me marca ainda, ou que melhor lembro são mesmo as palavras que ouvi durante tantos anos.

      Acho tão mal não pudermos falar bem de nós mesmos sem ouvir algo do género. Se falamos mal "não temos confiança nenhuma", mas se falamos bem "temos o rei na barriga", é algo tão sem nexo nem sentido que uma pessoa nem sabe explicar a razão porque não deveria ser assim.

      Eu só quero mudar nem que seja uma cabeça, para essa cabeça mudar outra e assim consecutivamente, com tempo e com esforço, talvez chegarmos a algum sítio. Sei que há mais gente como eu e só isso já me dá um ânimo do caraças!

      Continuo sim,mulher!!!!

      Delete
  8. Adorei o post!!!
    Obrigada <3
    http://theccworldoblog.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  9. Concordo tanta mas tanto contigo e fico feliz que não faças parte das pessoas que fazem esse género de comentários "as gordinhas é que são bonitas", "...pessoas como tu", etc... Sem dúvida acho que nos devemos aceitar tal e qual como somos e só assim é que num futuro podemos vir a ser diferentes, se um dia quisermos, isto é, uma pessoa gorda não tem que ser magra, mas se quiser emagrecer só o vai conseguir fazer de forma saudável se aceitar o seu corpo actual e se perceber que não existe perfeição, existe beleza e essa beleza pode ter muitas formas. Acho que o importante é gostarmos de nós e tentarmos ter uma vida saudável a nível físico e psicológico!:) E adorei as fotos! Quem não gosta que ignore simplesmente.:)

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ReplyDelete
    Replies
    1. A pessoa é bonita porque se sente bonita, se acha bonita e mostra isso ao mundo. Ninguém é bonito, apesar de a sociedade quase assim o ditar, por ter curvas, ou ser recta, ter mamas ou não ter um grande cu. Nós somos o maior juíz de nós mesmos mas temos de mudar a forma como nos vemos para poder mudar tudo o resto, tudo parte de nós.

      Sim, para quem pode emagrecer (e é gordo ou gorda só porque como) isso é verdade, só com uma atitude e pensamento saudável sobre si mesmo conseguira emagrecer, e o contrário também.

      Obrigada.

      Delete
  10. Gostei muito da publicação e adorei teres aberto o jogo em relação à temática das "mulheres de verdade". És uma miúda muito gira e, acima de tudo, muito inteligente. Espero que continues a dar chapadas de luva branca a todas as pessoas que teimam em desrespeitar a existência alheia.

    Um beijinho do tamanho do mundo,
    Rita

    http://daskunzite.blogspot.com

    ReplyDelete
    Replies
    1. Todas somos mulheres de verdade e quem disser o contrário devia de ouvir um belíssimo raspanete porque chega de manter uma mentalidade de preconceito.
      Obrigada enorme.

      Delete
  11. Eu sempre te achei uma pessoa absolutamente linda de morrer. (Lembraste que foste a primeira blogger que eu desenhei? *-*)
    Nunca vi o peso como um fator importante para avaliar uma pessoa, eu ganhei imenso peso dos 10 aos 13 e fui alvo de bullying, e depois dos 14 aos 16 era demasiado magra e também fui alvo de bullying, e a única coisa que consegui retirar daqui é que vão sempre existir pessoas absolutamente imbecis que se acham os reis do mundo e a melhor coisa a fazer é ignorar.
    Eu ainda estou naquela fase de "tentar gostar de mim como sou" e admiro-te imenso por te sentires bem contigo mesma, és incrível.
    E adorei as fotos, são mesmo fotos com toque de Jo ahah


    Lovable Maria | Instagram | Youtube

    ReplyDelete
    Replies
    1. Sim, sim e sim. Ainda tenho esse desenho guardado com imenso carinho.
      Infelizmente o peso, quer seja muito ou pouco é sempre um factor...como tudo o resto! Quem quer pegar, manipular e deitar abaixo vai sempre arranjar nem que seja uma sarda numa ponta de um dedo para o fazer.
      Continua, Maria, continua porque quando menos esperares vais conseguir e depois vais sentir uma felicidade imensa por gostares de ti mesma.
      Obrigada!

      Delete
  12. adorei este post, concordo com tudinho do principio ao fim. e é uma daz razoes pela qual venho sempre ao teu cantinho ler (mesmo que as vezes nao comente), porque abordas os assuntos, sejam eles quais forem, és verdadeira e escreves tao bem!

    ja levei com comentarios tb tipo "pra gordinha vestes te bem" ou ate o contrario "nao devias usar X peça pois nao favorece o teu corpo", e fico tipo --' porque pensam mesmo que estao a fazer me um favor, mas na realidade nao. lol

    anyway, este texto tb relembrou me uma serie que eu ADORO e com a qual identifico me bastante, My mad fat diary. nao sei se conheces!

    https://rrriotdontdiet.blogspot.pt/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada por vires, por leres e por tudo o que disseste. É isso que me motiva tanto.

      Pior é ouvir isso dentro da tua própria casa e batalhares para que quem te rodeia ver que esse pensamento não é positivo porque como o aplicam aos outros também o poderão aplicar negativamente a eles mesmos.

      Não conheço mas acho que vou espreitar!

      Delete
  13. Acho que fizeste muito bem em escrever este post. Deitaste tudo o que tinhas ai cá para fora e com toda a razão. És super gira, elegante (sim pois podemos ser extremamente elegantes independentemente do peso, já vi muita magra tresloucada e sem elegância nenhuma), inteligente e que se arranja maravilhosamente bem. É uma inspiração para todas as mulheres :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Quero ser uma inspiração nem que seja para uma mulher só, e que essa mulher seja uma inspiração para outra e por aí adiante. Nada mais do que isso.
      Quanto ao resto, obrigada, a sério.

      Delete
  14. Já espreito o teu blog há bastante tempo, e para mim é completamente indiferente se uma pessoa é gorda, magra, azul, verde, ou assim assim, não é para isso que eu olho quando sigo um blog. Ainda assim cada pessoa tem o seu ideal do que é um corpo bonito, e se para uns são miúdas magras para outros podem ser miúdas musculadas, ou com curvas, ou mesmo com excesso de peso. Cada um com os seus gostos. E quanto à própria pessoa, acho que acima de tudo a pessoa tem de se sentir bem, mas também é mais que sabido que excesso de peso tem implicações na saúde, principalmente a médio/longo prazo. Assim como tem fumar, consumir drogas ou beber. Eu não me meto no peso de ninguém, como não me meto nos cigarros que fumam por dia, mas se alguém me pedir opinião não posso dizer que concordo que alguém se acomode ao peso que tem se estiver com excesso de peso e a prejudicar a sua saúde só porque "se sente bem no seu corpo". O grande problema é as pessoas gostarem de opinar mesmo quando não lhes é pedida uma opinião. Um beijinho *

    ReplyDelete
    Replies
    1. Infelizmente nem todos pensam do mesmo modo e muita gente segue os padrões que a sociedade estipula, não apenas nas relações que estabelece mas acima de tudo na pressão que exerce sobre si para encaixar nesses padrões muitas vezes sem sentido.

      O sentir-se bem, como dizes, gostar de si mesmo e acreditar em si, são as palavras chave para uma vida feliz.

      Sim, excesso de peso PODE ter implicações na saúde, não é TEM, é PODE. O peso pode derivar de diversos factores, muitos deles sem quaisquer problemas a longo prazo. Uma pessoa gorda pode ser gorda por ter ossos densos, músculos pesados ou qualquer problema que a impeça de perder peso (como o caso dos ovários policísticos ou problemas de tiróide). Não podemos comparar tão facilmente o excesso de peso ao consumo de tabaco, álcool ou estupefacientes, mesmo que o consumo descontrolado de comida possa ser em parte viciante mas também um indício de problema psicológico.

      Se uma pessoa se sente bem no seu corpo e o seu peso não acarreta problemas a médio ou longo prazo para o corpo, não acho que ninguém se deva meter nisso. Concordar ou não vai de cada um, mas respeitar também. Ser magro também acarreta, se seguirmos por esse prisma, diversos riscos que poderão causar problemas (falta de menstruação, risco de baixas defesas imunitárias, risco de degeneração mais rápida do corpo em causa de doença), assim sendo devemos ter sempre em atenção que cada caso é um caso, cada pessoa é uma pessoa, e que cada corpo reage de modo diferente ao peso que tem.

      Exactamente, não tem mal nenhum dar opinião quando a mesma é aceite, mas também falta muita gente saber respeitar o facto de não se querer opinião alguma.

      Delete
  15. Gostei imenso do texto, muito intimista, mas sem reservas e com os "pingos nos is". Desde cedo, tive uma auto-estima muito baixa por diversas razões e os teus post mais introspectivos têm ajudado a aceitar-me como sou. Obrigada por isso. Adoro ler-te!
    Um beijinho :*
    Micaela

    ReplyDelete
    Replies
    1. Que cada post novo ajude ainda mais. A minha auto-estima foi construída com esforço, cada dia é uma batalha mas temos de começar por algum lado.

      Continua!

      Delete
  16. Muito bom mesmo!! Vou partilhar, muitas pessoas precisam de ler isto :)

    http://comeonshine.blogspot.pt

    ReplyDelete
  17. Opá, que post brutal. Tão puro e honesto, daqueles que sabem mesmo bem arrumar tudo para um canto, parar e ler (e que bem que escreves, Jo!).

    Já passei pelo mesmo que tu mas ao contrário, porque há bullies para as "gordas" e para as "magras" também. No entanto, já vou aceitando mais o meu corpo e pessoas como tu ainda me dão mais alento e esperança. Já agora, que fotos lindas, com uma edição e luz tão bonita!

    Francisca | www.franciscamay.com

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada, Francisca!

      Há bullies para toda a gente, porque as pessoas que nos querem deitar abaixo vão usar qualquer desculpa para o fazer, nem que seja um mísero sinal na mão.
      Aceita-te como és, mesmo que nem todos os dias o consigas, o importante é batalhar sempre!

      Delete
  18. Adorei sua publicação! Amo essas publicações que as pessoas falam o que vem no coração! ultimamente não encontro muito sobre isso! Sei como é bom se abrir e fazer um post sobre isso pois acabei de postar um desse tipo em meu blog! Amei muito mesmo!

    http://ponyrandom.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
  19. As fotos estão lindas!
    Quanto aos post não acrescentaria um ponto. Apenas que me identifiquei com algumas das coisas que falaste. Já fui magra e agora tenho muitos mais quilos a mais (cerca de 30). Não me acho feia, nem odeio o meu corpo. Como qualquer mulher, tenho os meus dias em que me sinto fantástica e aqueles em que me sinto uma caca e nem me apetece sair de casa (também tinha estes dias quando era magra).
    Mas há uma coisa que me irrita, e que muitas vezes as pessoas dizem numa tentativa de elogiar que é a tal coisa "vestes—te bem, pra uma gordinha"; "mesmo gordinha és gira" e por aí fora. Depois também me irrita aquelas pessoas que dizem (e nisto incluo a minha própria mãe) "estás muito bonita, mas tens que fazer uma dietazinha". Tenho? Sou saudável (à parte dos kgs a mais, sim porque obesidade não deixa de ser um problema de saúde), mas em tudo o resto sou saudável. O peso que tenho está controlado ali naquele ponto. Tento fazer escolhas mais saudáveis e tudo mais. Tenho que fazer uma dieta? Se eu quiser. Se eu não me sentir bem. Não porque a sociedade impõe que eu use umas calças tamanho 36. E, apesar de me sentir confortável e bem comigo mesma, curiosamente, é quando ouço estes meios elogios, que duvido de mim e que surgem as incertezas. Felizmente, rapidamente desligo disso.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada!!
      Todas temos esses dias, mesmo quem já aceitou o seu corpo e se ama como é. A mente humana é assim mesmo e nisso não a podemos contrariar.
      As pessoas acham que estão a ser queridas, a elogiar, mas com os elogios trazem as "dicas" e "opiniões" desnecessárias e quem ninguém pediu.
      A obesidade pode ser doença, dependendo daquilo que a cause, mas de facto, se somos saudáveis, nos sentimos bem, e não há riscos comprovados que nos afectem a médio ou longo prazo, devemos manter ou mudar apenas por vontade própria e nada mais, sem pressões externas.

      Delete
  20. Gostei imenso do post e identifico-me bastante, infelizmente muitas pessoas são assim e pensam que lá por ser-mos gordas falo por mim, que obrigatoriamente nos devemos sentir inferiores ou menos que os outros mas enfim... beijinhos

    ❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤
    Meu cantinho Lusitana❤Blog
    “Página- FACEBOOK”

    ReplyDelete
    Replies
    1. Nunca mas nuncaaaaaaaaaaaa, nos devemos sentir inferiores, qualquer que seja o nosso peso, o nosso género, o que quer que seja. Não devemos é ser como eles, e responder com algo do mesmo género.

      Delete
  21. Replies
    1. Obrigada!!! Tento, apenas tento como todas devíamos tentar.

      Delete
  22. Confesso ter encontrado o teu post por acaso. Chamou-me a atenção e li... Gostei muito de conhecer o teu espacinho e de conhecer um pouquinho de alguém que parece espetacular. Beijinhos e acredita: pensamentos positivos atraem coisas positivas... :D

    www.asteoriasdaelsa.com

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada por vires ler e vires conhecer.
      Positivo atraí positivo, bem sei!

      Delete
  23. Este post merece uma grande salva de palmas!
    Merece ser lido e relido por todos e todas, para que haja um bocado de noção e bom senso no mundo.

    Não conhecia o teu blog, mas sem dúvida que vou continuar a seguir porque adorei ler-te!
    Parabéns linda.

    Beijinho muito grande ♥

    http://cristiana-tavares.blogspot.com

    ReplyDelete
  24. As fotografias estão lindas. Parabéns*

    ReplyDelete
  25. Fiquei encantada com as fotografias.

    ReplyDelete
  26. Adoro-te desde que comecei o blog e adoro todo o teu trabalho. És das pessoas mais talentosas e simpáticas que conheço e isto não mudaria se vestisses um 32. És uma inspiração sim mas por muito mais do que somente o facto de te aceitares como és! És linda tal como és e serás linda sempre, por fora e por dentro. E esta temática é sem dúvida algo de admirar, para dar lições a muitos que criticam magras e gordas, morenas e loiras, altas e baixas. Todas as mulheres (e homens) merecem respeito e é precisamente nisso que falas. Eu sou um palito e nem sempre me sinto bem com isso...já ouvi comentários super desagradáveis e por vezes é complicado respirar fundo e ser uma lady! Mas se soubermos parar e olhar para nós, pensar no que somos não só fisicamente mas também, iremos ver que somos uma perfeita imperfeição e que nada nos deterá de esboçar um sorriso nos dias bons e maus :)

    ReplyDelete

© The Paper and Ink