SLIDER

JOANA CARDOSO


PORTO,PT
26 anos, plus-size blogger e fotógrafa

N E W S L E T T E R

Traça

Traça Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Já lá ia um bom tempo desde a última vez que vos trouxe uma sugestão de onde comer bem no Porto. Daqueles locais que alia a beleza do espaço, à boa comida e bom serviço. É de um desses locais que venho falar hoje, o Traça, um sítio caricato e delicioso (não apenas em termos culinários) em pleno coração do Porto, bem no Largo de São Domingo, ao fundo da Rua das Flores.

Visitei o Traça mesmo no fim do mês de Novembro, durante a press trip da Arcopedico. Foi o nosso jantar do primeiro dia daquela viagem e foi a escolha perfeita para terminar o dia.






O Traça é um restaurante num espaço pequeno, em dois meios-pisos, o que quer dizer que é difícil arranjar mesa sem reserva para jantar por lá, especialmente porque é um dos locais mais concorridos no Porto e com bom proveito da fama que criou pela sua fusão de comida portuguesa e espanhola.

Apesar de estreito e pequeno, o restaurante tem um ambiente muito acolhedor e uma decoração peculiar e giríssima que remete para o facto de este ser um restaurante especializado em pratos de caça. Assim sendo não é de espantar ver o crânio na parede, as mesas corridas de madeira e um ambiente a meia-luz mas tão bem conseguido.

O staff é de uma simpatia que se deve realçar, pronto a receber e receber bem, de sorriso no rosto e pronto a responder a qualquer dúvida ou atender a qualquer pedido especial. Não houve de facto nada a apontar, apenas tudo de bom.





Começamos pelas entradas, tantas e tão boas que seriam uma refeição por si só. Como queriam que não nos faltasse nada, experimentamos um pouco de todas as melhores coisas que o Traça faz. Começamos com carpaccio (com tempero de modena e queijo) de veado e cecina, se não estou em erro de vaca. A cecina, ficamos a saber é um tipo de cura que seca a carne, ao estilo dos presuntos, mas com um método de cura diferente. Não foram os meus pratos favoritos, mas de facto não posso dizer que não se sentisse a frescura e boa preparação dos mesmos, coisas que se destacaram muito positivamente.

Logo de seguida, e para além do típico pão que era fresco e super tentador com manteiga de especiarias, chegou uma belíssima sertã de morcela, com morcela, batata, ovo e pimentos. Uma sertã que chega quente à mesa e que tem todo um show a acompanhar, com umas misturadelas sucessivas para envolver todos os ingredientes, por parte do staff. Quentinho, delicioso e perfeito para os dias frios de Inverno.



Como se todas aquelas entradas não fossem suficientes, ouve ainda espaço para croquetes cremosos de cecina e presunto. Bolinhas e croquetes maravilhoso, suculentos, cremosos, quentinhos e que apetecem comer até não aguentarmos mais.



Não vos sei dizer como ainda houve espaço para o prato principal, mas a foto fala por si, pois mal chegou à mesa nem houve tempo de fotografar. Um costeletão de charolês com batata frita e salada. Gosto de boa carne e esta sem dúvida que superou as expectativas. Tenra, suculenta e mal passada, tal como gosto (mas não demais). Basicamente as batatas ficaram um pouco de lado para dar primazia àquele belo costeletão.

No fim, e sem foto, houve um carpaccio de ananás, para desenjoar da quantidade monumental de carne que tínhamos comida. Não que me esteja a queixar, bem pelo contrário, mas foi um jantar de abusos mas daqueles abusos que de vez em quando sabem bem e valem a pena.


2 comments

  1. Ai. Estou a salivar e ainda são 10h30. Desgraçada :p Tenho que ir aíííí!

    Jiji

    ReplyDelete
  2. Só pelas fotos já almoçava outra vez :P

    ReplyDelete

© The Paper and Ink • Theme by Maira G.