SLIDER

JOANA CARDOSO


PORTO,PT
27 anos, plus-size blogger e fotógrafa

BH Foz


BH Foz Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Há cerca de três semanas estive pela primeira vez no BH Foz, a convite da Zomato, para um jantar de foodies...ou seja, de pessoas apreciadoras de boa comida, bons espaços e bom convívio. Tudo isto junto é obviamente a minha cara, mas isso já vocês sabem. Para além disso foi a desculpa perfeita para finalmente visitar este espaço que há muito queria conhecer, em plena Avenida do Brasil, ali bem perto da Foz.





O espaço por si só é tão fantástico como imaginei que fosse, bem estruturado, dividido por várias áreas e por três andares. No rés-do-chão o restaurante e bar, para quem quer fazer uma refeição ou apenas para ir tomar um copo com amigos. Já o primeiro e segundo andares são zonas privadas, para festas, eventos e reuniões, sendo compostos por vários espaços que podem ser alugados e com imensas facilidades, de quartos-de-banho privativos, a bares, sala de conferência e muito mais.

Para além disto tudo o edifício em si é um marco histórico e lindíssimo, um edifício dos anos 40, projectado pelo Arquitecto Amoroso Lopes e no qual durante muitos anos funcionou a oficina Belo Horizonte, daí vir o nome BH Foz, jogando com o BH de Belo Horizonte e o local privilegiado no qual este restaurante se encontra, na Foz. Como se não bastasse toda a envolvência deste local, a sua localização como foi mencionada acima, fica na Avenida do Brasil, directamente de frente para o mar.

O espaço em si é um misto perfeito de contemporâneo e vintage, com elegância minimalista aliada a objectos e obras de arte antigas, da família proprietária. Para além disso o BH Foz serve como galeria de arte no qual se expõem e vendem obras de diversos artistas.




O que importa mesmo aqui é o restaurante, já que o Foodie Meet Up foi realmente pensado para conheceremos as novas adições da ementa criada pelo chefe Anthoney Pires.



Manteigas aromatizadas, azeite com balsâmico, azeitonas e grissinis, deram o mote de nos sentarmos à mesa e começar logo ali conversas que iriam durar horas a fio. De facto a comida une as pessoas e este caso foi um exemplo perfeito disso.

A verdade é que não sabíamos o que esperar, nem imaginávamos o quanto íamos sair dali da barriga cheia e sorrisos no rosto, mas vocês vão facilmente perceber o porquê.




Começamos com uma fabulosa experiência oriental com este Sushi Fusão BH, harmonizado com um Quinta do Ameal Loureiro 2014, um vinho verde fresco, leve e com uma acidez que contrasta bem com o sushi. Foi ainda o mesmo vinho da segunda entrada, umas maravilhosas Vieiras Grelhadas com Puré de Funcho Caramelizado e Maçã Granny Smith.

O sushi era fresco, bom e bem apresentando em termos uniformidade. Senti que algumas peças apenas pecavam pelo seu tamanho, um bocadinho grandes demais para a minha boca, mesmo assim é um sushi que vale a pena e o BH Foz tem uma ementa maravilhosa neste sentido, oferecendo opções sem fim de várias cozinhas. Os apontamentos do pequeno ovo de codorniz e o foie gras fizeram uma diferença enorme neste sushi de fusão.

As vieiras, grelhadas com flor de sal, eram do mais tenro e suculento que existe e mesmo não sendo a maior fã de funcho posso dizer que a ligação com as vieiras e a maçã foi uma experiência boa e que facilmente repetiria sem pensar duas vezes.




Para primeiro prato tivemos, claro está, peixe. Neste caso foi uma Feijoada de Bacalhau Fumado, algo que pode até parecer um pouco esquisito, dando a ideia que a feijoada é algo muito pesado e que nada tem a ver com peixe. Apesar de tudo este é um prato quente, não necessariamente pesado, mas que é algo mais apetecível em dias frios.

O bacalhau fumado é cozinhado a 60 graus, uma temperatura muito baixa o que o torna muito suculento, tenro e faz que lasque "que nem um mimo". Porém notamos, no geral, que o pimento usado no prato sobreponha-se a todos os outros sabores não ajudando a realçar o sabor do bacalhau fumado que se perdia no meio do tom dominante que o pimento conferia ao prato.

Para harmonizar o vinho escolhido foi um Palato do Côa 2014, um vinho branco, bastante fresco, quase mineral, para harmonizar o quente desta feijoada. A verdade é que a minha experiência vínica da noite acabou aqui porque decidi que a minha dor de cabeça não ia passar mais depressa com a ajuda do álcool, assim sendo pedi uma limonada de maracujá, muito boa por sinal, e deixei o vinho para os restante convidados




O segundo prato da noite foi, muito possivelmente, o meu favorito. Não que seja imensamente fã de Wellington, mas a minha primeira experiência com a carne escolhida foi realmente divinal. Estou a falar deste Wellington de Veado com Puré de Castanha  e Jus de Chocolate e Groselha.

Muito basicamente a carne de veado, neste caso lombo, é tenra, desfaz-se na boca e neste Wellington vinha enrolado em bacon e puré de cogumelos, antes de ser coberto por uma massa folhada estaladiça. O lombo é então servido numa cama de espinafres salteados, puré de castanha e um jus de chocolate e groselha. Havia uma série de coisas que antes de provar me pareciam estranhas, o chocolate em especial, e o veado que nunca antes tinha provado, mas na verdade fiquei fã da carne e o chocolate nota-se pouco mas dá uma ligação muito interessante com o sabor suave da carne e a intensidade do puré de castanhas.




Para finalizar não uma mas sim DUAS sobremesas, isto se já não estivesse quase a rebentar pelas costuras era festa pela certa mas mesmo assim não deu para resistir ao pecado da gula.

Começamos com "A Nossa" Tarte de Limão Merengada, uma tarte que ajudou a limpar o palato de todos os pratos anteriores para o grande final...de chocolate. A tarte era era boa, porém senti que faltava um toque de acidez, mesmo sendo de limão, e o merengue tinha um pouco de falta de consistência, mas não se pode agradar a todos como é certo. A acompanhar um crumble de pistácios e nozes, framboesas e mini suspiros, tudo isto numa cama de geleia de limão, o ácido que faltava à tarte mas mesmo assim insuficiente.

Para acabar em beleza um Fondant de Chocolate com Gelado de Tangerina. Eu não sei como consegui dar conta do recado, já estava mais do que cheia e chocolate para mim é em doses pequenas ou quando me apetece, mesmo assim este fondant esta divinal, o chocolate tinha o q.b. de amargo necessário para não se tornar enjoativo e o gelado de tangerina, apesar de bom, para mim não ligava com aquela bomba de chocolate. Pessoalmente não gosto de citrinos com chocolate, apesar de ser uma conjunção muito comum.



Foi uma noite maravilhosa, com um atendimento de nota máxima e com a companhia do José Loureiro que representou muito bem todo o espaço e nos deu a conhecer não só o edifício, as suas histórias e toda a vontade e ideias por detrás deste restaurante.

Ainda um obrigado ao chefe Anthoney Pires, que explicou cada prato e recebeu cada sugestão, e à equipa que nos serviu, atendeu aos nossos pedidos e nos fez sentir absolutamente à vontade.

O meu agradecimento vai ainda dirigido, uma vez mais, à Zomato e há Bárbara Tavares que representou a empresa e finalmente a todos os foodies e  presentes com quem tive a oportunidade de trocar "dois dedos" de conversa: O Diário da Inês, Double Trouble, Sisterhood of Foodies, O Blog da Ravioli, Na Cozinha de Uma Universitária, etc.


4 comments

  1. Já lá fui e adorei. Que bom aspecto tem a comida*

    ReplyDelete
  2. O espaço é lindo e a comida parece ser deliciosa.

    ReplyDelete
  3. Olha que me cativaste imenso com o espaço. E a comida tinha um aspecto maravilhoso!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ReplyDelete

© The Paper and Ink