SLIDER

JOANA CARDOSO


PORTO,PT
27 anos, plus-size blogger e fotógrafa

N E W S L E T T E R

Memorial

Memorial Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Há coisa de umas semanas recebi um convite tentador e que aceitei prontamente porque conhecer novos locais sobre os quais possa falar é sempre uma boa ideia, quer seja a convite ou não. Vocês sabem o gosto que me tem dado trazer pequenos guias e dicas de locais a visitar no Porto e este vai ser mais um deles. Hoje trago-vos o Memorial, um restaurante e bar, que já conhecia por ter lá tomado café numa noite de Verão, mas que com este convite me deu a conhecer o restaurante que fica logo em frente ao mar na marginal de Leça da Palmeira.


Eu vou começar por contar aquilo que viemos a descobrir no fim do jantar, em jeito de conversa com a Sr. Lucília, que é juntamente com o marido proprietária do local. A decoração do espaço é toda ela minimalista, moderna e gira, com tons quentes que fazem bem o contraposto com o frio à beira-mar e o vento que se fazia sentir no dia em que visitamos. Porém a todo o redor do restaurante existem móveis empilhados por detrás um vidro, móveis antigos, ao estilo casa dos avós, de quintas e a lembrar as casas de campo. Ficamos curiosos com o porquê e tivemos uma breve história.

O nome Memorial nem era para existir, o nome que tinham em mente era outro, mas depois do design pensado e concretizado pelo designer Paulo Lobo (famoso por muitos outros locais) com os móveis que hoje se encontram no local, o nome que tinham primeiramente idealizado deixou de fazer sentido e passou assim a ser Memorial. A verdade é que só os móveis, por mais simples e toscos ao olhar que sejam têm algo de especial, algo que invoca memórias especialmente numa geração mais velha, como a dos nossos pais ou avós e eu lembro-me de sentir isso a primeira vez que lá estive. É de facto apenas uma curiosidade mas foi algo interessante porque muitas vezes não imaginamos a razão da aparência de este ou aquele espaço ou ainda dos nomes escolhidos.




No fundo o ambiente do Memorial tem tanto de elegante como de evocativo em termos de memórias e tudo isso conseguido numa conjugação muito bem idealizada.

Outro ponto que tenho de realçar antes de falar do que interessa, ou seja da comida, foi o atendimento. Neste caso tenho mesmo falar da Sara que nos atendeu e nos guiou em todo o jantar. Ela é sem dúvida um dos pontos centrais para que tenhamos tido uma óptima experiência, não só pela simpatia e pelos conselhos e sugestões bem dadas na hora de escolhermos, mas ainda pela maneira jovial com que falava connosco, nos fazia sentir descontraídos - verdadeiramente como se estivéssemos em casa - e nos colocou tão à vontade com a sua presença. Fica aqui o meu agradecimento pelos sorrisos e gargalhadas que despertou.



A ementa é recheada, com pratos de carne, peixe e opções vegetarianas, para além das entradas, tapas e tantas outras coisas disponíveis. Apesar de estarmos à beira-mar a minha opção foi para o vegetariano enquanto que quem me acompanhava decidiu-se por um iguaria marítima. Porém antes disso houve imensa coisa para "forrar o estômago" e dando-nos a possibilidade de provar algumas das coisas mais apetecíveis da carta.

Pão escuro para mim, pão branco para quem estava comigo. Poder escolher o pão foi uma agradável surpresa, especialmente porque tenho tendência a pães mais escuros e de cereais, fugindo aos pães mais simples apenas porque prefiro a complexidade de sabores dos pães escuros. Com o pão, e porque comer pão com pão pode ser muito sem graça, um paté de atum com pickles - fique aqui dito que eu adoro pickles - e azeite com vinagre balsâmico. Tanto um como o outro era óptimas parcerias para fazer com o pão fresco e na verdade foi meio pão para cada coisa porque eu cá não me contento em provar apenas uma coisinha que seja.


Ainda para acompanhar a primeira parte das entradas vieram uns cocktails fresquinhos para a mesa. Um Long Island Iced Tea e uma Caipirinha - somos adultos, podemos - apesar de eu não morrer de amores por Caipirinha devido à cachaça, já o Long Island Iced Tea é mais a meu gosto, apesar de adocicado. A Caipirinha estava boa, menos doce do que aquilo que costumam servir noutros locais e talvez por isso eu tenha gostado mais do que noutras vezes. O Long Island - bastante longggg, se é que me entendem - estava óptimo mas com um travo a Coca-Cola em demasia - eu gosto dos sabores fortes das bebidas bem realçados, não me condenem - mas mesmo assim estava muito bom e foi o preferido da mesa.

Para acabar, bem para acabar as entradas em beleza, umas belas gambas ao alho, servidas com uma cestinha de pão torrado ainda bem quente porque aquele molho não dava de todo para ser desperdiçado.


Acreditem que ainda sobrou espaço e fome para o prato principal e ainda bem que assim foi porque valeu realmente a pena. Eu optei pelo Risotto de Vegetais, o outro lado da mesa optou pelo Polvo no Forno.

Claro que apesar de eu ter pedido o Risotto para mim ainda dei uma dentadinha no polvo, apenas para fins de vos dizer se estava bom ou não, apenas para isso mesmo.





O Risotto estava quase perfeito, eu apenas gosto dele um bocadinho mais cremoso e com mais queijo - ainda mais queijo - apesar de tudo os vegetais era super frescos, crocantes, em especial os espargos que ligavam tão bem com todo o prato. A dose era enorme, eu comi, repeti e ainda sobrou.

O polvo estava muito bom também. Servido com batata a murro, legumes salteados, pimentos assados e cebola. Provei o polvo, tenro, super bem cozinhado, coisa que para muitos é um trabalho difícil mas que no Memorial se revelou uma bela confecção. Os grelos, dos quais também roubei um bocadinho, tinham um o sabor do azeite e do polvo, dando assim uma dimensão extra ao legume tão mal amado por tantas pessoas.

Acompanhamos a refeição com um Altano, um vinho branco do Douro, que apesar de fresco e com notas cítrica que lembram mais o Verão, jogava bem com a frescura do Risotto e dos vegetais usados.



Não sei como ainda houve espaço para sobremesa...mas houve! Deixamos a Sara escolher por nós, confiamos nela o suficiente para isso e não é que não desiludiu e conseguiu mesmo captar os nossos gostos? Uma fatia de sublime de chocolate, que ele adorou, e uma fatia de bolo de maçã, coisa que eu amo de paixão. Isto servido com duas bolas de gelado, da Neveiros - quem é do Porto conhece esta gelataria bem antiga - uma de Nata e outra de seu nome Maria Framboesa, um gelado de base de nata com framboesas e bolacha Maria.

Como eu sou gulosa e me disseram que havia um sorvete de maçã verde um pedi um bocadinho para provar e foi ir ao céu das maçãs - eu, louca das maçãs, me confesso.

Para acabar em beleza, um cházinho e um café - porque não vivo sem café, vocês sabem - e ainda dois dedos de conversa que souberam super bem, para conhecer o restaurante e quem dá a cara por ele.





Obrigada ao Memorial pelo convite e pelo fantástico jantar que nos serviram num espaço simpático e com atendimento fantástico.

3 comments

  1. O espaço é lindíssimo Joana, mais um daqueles sítios que tenho de visitar!
    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM

    ReplyDelete
  2. Tem tudo tão bom aspecto! E o espaço é lindo :D

    3200 Degrees ❤

    ReplyDelete
  3. Também já lá fui e amei. comi uma sobremesa divinal, que ao pensar nela fico logo com grande ataque de gula: iogurte grego com ovos moles. Tãããão bom!

    ReplyDelete

© The Paper and Ink • Theme by Maira G.