SLIDER

JOANA CARDOSO


PORTO,PT
27 anos, plus-size blogger e fotógrafa

Itália #4



Quarta e penúltima parte da viagem a Veneza. Vocês já devem estar pensar "Mas Joana, de certeza que foste só um dia?". Fui, fui um dia só e rendeu isto tudo, cinco publicações, muitas imagens que por aqui não apareceram, pés cansados, sorriso rasgados e uma cidade que acabou por se tornar uma surpresa super agradável e à qual espero um dia voltar.















Como vos tinha dito no final da publicação anterior, ao atravessarmos a zona de onde se vê a Ponte dos Suspiros chegamos ao bairro de Castello, o segundo maior de Veneza. Era aqui que eu sabia que tinha a minha paragem obrigatória em Veneza, algo que eu tinha visto e sabia que tinha de visitar.

Na área de Castello há um sem fim de ruas em que não passam mais que uma pessoa, mesmo em fila, e os turistas dispersam-se depois do aglomerado de gente que se apanhar na zona de San Marco. Foi bom ter um bocadinho de sossego depois de apanhar com aquela confusão toda uma vez que é algo que não costumo gostar nada.

Aqui guiei-me mesmo pelo Google Maps não fosse eu perder a esquina certa para chegar à Libreria Acqua Alta - afinal não fui à Shakespear and Co. em Paris graças a me ter enganado numa única esquina - e a verade é que chegamos lá depressa e sem problemas alguns. O sítio é tão pitoresco como imaginei, atafulhado de livros, aos montes, sem estarem devidamente arrumados. Muitos deles em banheiras e gôndolas porque afinal com as cheias que assolam Veneza do nada, esta foi a maneira mais caricata que arranjaram de proteger os livros das dias cheias.

Ao fundo há uma saída para um pequeno pátio e aí um dos sítios mais fotografados da loja e com toda a razão. Pilhas e pilhas de livros velhos formam uma escada que nos leva, indo com cuidado para não cairmos, até ao topo de um muro com vista para um canal. Apesar do meu medo de alturas, subi ao topo e tirei umas fotos, sempre de respiração acelerada mas com a certeza que tinha feito mesmo bem em ter escolhido aquele local.

Há saída acabei por comprar um livro, não me sentia bem em sair dali de mãos a abanar...e honestamente eu compro livros porque adoro e mais um nunca é demais!











Quando me conseguiram tirar de lá - acreditem que me custou imenso sair da loja - lá nos deixamos perder de novo e andar por ali por Castello e eventualmente chegar a Cannaregio, o maior bairro de Veneza.

Apesar de tudo foi ainda em Castello que encontramos o L'artista della Barbaria, mesmo em frente à Chiesa de Santa Maria dei Derelitti. Esta loja é minúscula, vendendo as típicas máscaras venezianas. As máscara que aqui se vendem, e lá explicam-vos tudo e quais são, são feitas à mão e ali mesmo na montra pelo Giancarlo e a sua esposa Erika. O Giancarlo fala com os clientes com uma doçura enorme, explica tudo, mostra-nos como são feitas as máscara e dá não só uma data de recomendações de como as guardar ou penduras e ainda nos diz que se voltarmos a Veneza e a nossa máscara tiver algum estrago para a levarmos que ela trata dela na hora, sem custos, do género garantia vitalícia,

Acho que passamos uns bons 45 minutos na loja, um espacinho minúsculo que é loja e atelier a escolher o que íamos levar. Como ele percebeu que viajamos de avião acondicionou muito cuidadosamente as máscaras e disse para a levarmos na mala de mão e não nas malas normais porque elas são de facto frágeis, feita de pasta de papel. 











Acabamos por atravessar para Cannaregio e por lá andar a passear até que a fome começou a apertar. Optamos, como já tínhamos em mente, por uma cicchetteria, enoteca e bacaro - basicamente um pub e local para se ir beber algo - e neste caso escolhemos o El Sbarlefo.

Claro que aqui a comida não é saudável, nem é suposto ser. É quase tudo frito e a melhor maneira de acompanhar é mesmo com um bom copo de vinho - eu acho que bebi todos os dias em Itália, não digam a ninguém - e foi isso mesmo que fizemos. Eu comi flor de abóbora frita num polme super estaladiço e ainda um polpette di formagio.

Ficamos a descansar um bocado, a comer e a beber, assim à boa maneira italiana. Afinal ainda precisávamos de energia para continuar até à noite a passear pela cidade.












Acabamos depois por fazer uma paragem para café numa pastelaria. Como só sou de doces quando me apetece não comi nada mas tinha tudo bom aspecto e segundo quem estava comigo os bolos era frescos e deliciosos e eu acredito neles, portanto, ficam com a recomendação da Pasticceria Pitteri em Cannaregio.

Encontramos ainda a Farmácia Santa Fosca que tem ao seu lado a antiga farmácia belissimamente preservada - mas agora infelizmente tomada pela The Merchant of Venice, uma marca de alta perfumaria Veneziana que está, a meu ver, um bocadinho por todo o lado - do século XVIII. Não se pode fotografar no seu interior mas mesmo assim é giro ir dar uma olhada e ser um pouco levado a ver as coisas como elas eram numa época passada.

Pouco mais à frente demos de caras com o Teatro Italia, um antigo teatro agora convertido em supermercado mas que mantêm muito do seu encanto, com todas as pinturas, o palco e até as saídas com cortinas. Por fora ninguém ser percebe que por dentro é um supermercado Despar. Acabamos por entrar porque eu tinha seda - tenho sempre - e demos de caras com um sítio bonito.
















Acabamos por andar a passear calmamente por Cannaregio até voltarmos a Santa Croce e finalmente San Polo, voltando a fazer o mesmo percurso que tínhamos já feito mas agora ao pôr-do-sol e com a cidade lentamente e ficar vazia de turistas. Foi aqui que finalmente deu para parar em Rialto e tirar algumas fotos, com espaço e tempo para ver a vista.



Não se esqueçam que podem ver todas as fotos da viagem aqui, tudo o que não deu para publicar no blog.

5 comments

  1. Uau, que fotografias fantásticas! Fiquei apaixonada. Itália é um dos destinos que quero muito conhecer :)

    ReplyDelete
  2. Fotografias lindas :) Quero tanto visitar essa livraria!

    ReplyDelete
  3. Já conhecia a escada de livros e é tão gira!!
    Beijinhos
    Joana
    https://curlyhairandlipsticks.wordpress.com

    ReplyDelete
  4. Esse teatro que virou supermercado é encantador, e a escadaria de livros e as máscaras... Deixas-me a suspirar por Viena.:p

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ReplyDelete

© The Paper and Ink