SLIDER

JOANA CARDOSO


PORTO,PT
27 anos, plus-size blogger e fotógrafa

Advento #07


O Advento de hoje é simples, é pessoal e é apenas um registo fotográfico extenso da minha árvore cá por casa este ano. A verdade é que este ano estreamos uma nova árvore porque eu dei tanto na cabeça a toda a gente que lá aproveitamos os 25% de desconto aqui à algumas semanas no Continente.

Toda a minha vida tive em casa árvores grandes, daquelas com mais de 2 metros, bem frondosas e vistosas. Nos meus primeiros anos de vida - e não que me lembrei - sei que tivemos até pinheiros naturais que os meus pais arranjavam com amigos. Eventualmente cederam à facilidade de um pinheiro de plástico, dos tradicionais, que pode ser reaproveitado todos os anos e que não deixa lixo por toda a parte.


Ainda me lembro do nosso primeiro pinheiro, com uma base horrível que demorava horas a montar, que desencaixava sempre que achávamos que finalmente já estava. Era um monstro que ocupava uma boa parte da sala mas era giro como tudo. Há coisa de 15 anos compramos um modelos mais recente, também ele um senhor de mais de dois metros, com uma base bem mais simples mas horrivelmente pesado e tão, mas tão difícil de arrumar.

Resumidamente adoro pinheiros enormes, especialmente porque nós ainda pomos os nossos em cima de uma mesa para montar em baixo e em redor um enorme presépio - que temos diminuído por problemas caninos ao longo dos anos - e se ainda sonho com uma casa com família e árvores frondosas este ano disse que queria algo mais pequeno, que não tivesse mais de 1,50m e que não me causasse uma hérnia de cada vez que o tivesse que pegar. Isto porque afinal desde há alguns anos para cá sou eu que monto, coloco luzes, decoro e tudo mais, e com 27 anos não gosto de me sentir uma idosa cheia de dores.


Bem, compramos a árvore a um preço baixinho e já com algumas decorações incluídas. No início desta semana, com algumas horas para descansar, dediquei-me a montar e decorar a dita. Maravilha das maravilhas, uma árvore tão leve que se pega com dois dedos, com a qual até posso dançar sem perder 3 vértebras pelo caminho.

Se ainda sonho com as árvores enormes? Sim, claro que sim, um dia com uma família minha, na minha própria casa vou voltar a cair nesse jogo de árvores que roçam o tecto, mas para já a nossa árvore mais pequena e leve, gira como só ela, faz-me feliz, com as suas luzinhas cintiliantes, os seus tons de vermelho e os bonequinhos que fomos coleccionado ao longo dos anos. O espírito está lá, não importa qual seja o seu tamanho.

1 comment

  1. Sabes como adoro, apesar de todo o trabalho árvores grandes mas entendo-te perfeitamente...
    Dá realmente muito trabalho fazer e decorar uma árvore mais alta que nós, mas eu não me importo nada de fazer, ano após ano, desta maneira.

    ReplyDelete

© The Paper and Ink