SLIDER

Olá, eu sou a Joana - a cara por detrás do The Paper and Ink. Vinte e muitos anos, natural e residente da belíssima cidade do Porto, sou uma fotógrafa e blogger que em 2009 criou este espaço em busca de uma maneira de dar a conhecer ao mundo a minha voz, as minhas ideias e paixões. O TPI é um lifestyle blog, ou seja, é um pouco de tudo o que marca a minha vida, me apaixona e que acredito ser importante partilhar.


Cantina 32


Cantina 32 Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Domingo é sempre dia de vos levar a um lugar novo, por vezes em viagens, outra vezes em locais a visitar e especialmente nos quais comer. Hoje é isso mesmo, mais um lugar no Porto que descobri recentemente e no qual celebramos o aniversário do meu irmão em Abril. O Cantina 32 fica quase no final da Rua das Flores, a chegar ao Largo de São Domingos e costumo estar sempre tão cheio que convém mesmo fazer reserva.






O restaurante funciona por turnos, algo que é um dos poucos pontos negativos a apresentar, pelo menos para mim. Sei que faz sentido, sei que um negócio vive de vender, mas com apenas duas horas por turno, sentimos que temos de escolher e comer a correr, se bem que duas horas é tempo mais que suficiente para comer com calma e desfrutar e ninguém ande em cima de nós de forma a pressionar.

Tirando isso posso dizer que o espaço é giro, pequeno mas giro, com toques industriais misturados com o rústico de peças de outros tempos, especialmente madeiras envelhecidas, quadros antigos, cadeirões de couro e tanto mais num ambiente a meia luz, de paredes cinzas e com uma clarabóia que dá uma luz bonita ao espaço até ao pôr-do-sol.






Já íamos com a ementa mais ou menos estudada, algumas das pessoas presentes já conheciam o espaço portanto foi fácil decidir mesmo que a ementa seja muito atraente. As explicações que foram necessárias foram sempre dadas com muita simpatia, o serviço não era de todo baseado na pressão mas sim na cordialidade e a pensar no bem estar do cliente e isso é notório.

Passemos ao que importa. Escolhemos quatro entradas, para além do pão, azeitonas e manteiga de banana - parece esquisito, é esquisito mas não é mau nem com um sabor demasiado forte - e ainda dois pratos principais que deram para cinco pessoas, para além de sobremesas e vinho.





Começamos com Batata Frita 32, uma batata frita com um maravilhoso queijo por cima, mozzarella DOP com frio de tomate, azeite e manjericão; croquetes de alheira acompanhado com molho de mel e mostarda e finalmente uma asinhas com molho agridoce.




Posso dizer que estava tudo óptimo, excepto a mozzarella que a meu ver tinha um travo ácido, pouco usual na mozzarella que costuma ser mais doce, não sei se era do queijo em si ou de algum tempero, mas senti que nem o frio de tomate lhe fazia justiça ou bom acompanhamento. Foi a entrada menos apreciada por todos.




A Batata Frita 32 nada mais é que batata frita em palitos, coberta com quejo que vai derretendo sobre as batatas quentes, acompanhado com um molho que não vos consigo precisar o sabor. Maravilhoso, foi comido até à última batatinha, especialmente quando ainda veio quentinho para a mesa e tanto serviu como entrada como acompanhamento.



As asinhas eram boas, picante q.b., agridoce certo mas nada por aí além. Adoro asas, gosto delas fritas, panadas, daquela maneira bem gorda mas sem escorrer gordura. Estas estavam num misto de fritas e assadas, o molho cobri-as bem, de modo peganhento. Estava bom, gostei, repetia, mas talvez experimentasse outra coisa numa outra visita.




As bolinhas de alheira vieram quentinhas, estaladiças por fora e suaves por dentro. O molho de mostarda e mel foi perfeito para contrabalançar o doce da alheira. Não sou propriamente fã de petiscos com alheira por isto mesmo, o facto de muitas vezes serem ligeiramente enjoativos. Neste caso era, mas com o molho e comendo só uma ou duas bolinha, é uma boa entrada.

De pratos principais pedimos o Polvo com tomates na brasa e a Posta de Novilho grelhada com batata a murro e salada básica.





Os dois pratos estavam maravilhoso. O polvo era tenro, acompanhado com batata doce assada, tomates assados e alhos. Já a posta estava no ponto certo, a batata a murro o acompanhamento perfeito e a salada básica era um quarto de alface inteiro com um molho adocicado mas que muito bom, o que a tornava numa salada nada básica, apenas simples.

Para rematar bem a noite vieram várias sobremesas, gulosos a querer tudo acabamos por pedir quatro diferentes e ir provando uns dos outros.



O vasinho, uma ideia giríssima, é um cheesecake de banana caramelizada, coberto com Oreo. Doce na medida certa, sem sabor demasiado forte a banana, sendo até um pouco ácido, mas perfeito para acabar a refeição.



O Terrina 32 é um género de bolo de chocolate e menta, parece After Eight numa sobremesa, especialmente quando vem rematado com M&M's verdes de sabor a chocolate e menta, um dos meus favoritos. Acompanha com uma colherada de gelado de nata, para se ir cortando o doce do bolo.



A torta de cenoura e laranja foi o meu pedido. Adoro a combinação e tinha de pedir. Veio bem polvilhada de canela, algo que pode desagradar a algumas pessoas - o que aconteceu na mesa - e ainda amêndoa ligeiramente torrada. É docinho, deliciosos e um bocadinho pesado se comeram um bom jantar e estão cheios, mesmo assim recomendo para quem gosta da combinação como eu.



Finalmente o Ai Que Suspiro, que claro tem suspiro, um molho de frutos vermelhos e uma base de bolo. Um remate perfeito para quem é guloso mas não quer algo demais para acabar uma refeição já de si pesada.



Foi um jantar muito bom, pela comida e pela companhia. Um espaço que adorei conhecer e ao qual conto voltar nem que seja apenas mais uma vez, pela comida, pelo ambiente e por ter gostado do que experienciei.

2 comments

© The Paper and Ink