Não sei bem a razão de gostar tanto dos Oscars, mas é aquela cerimónia que a cada ano que passa não falha na minha agenda. Eu que adoro filmes mas nem vejo assim tantos e que talvez até tivesse mais interesse por exemplo nos Emmy's, a verdade é que continua a ser os Oscars que me deixam super entusiasmada e este ano não é diferente.

Já vi alguns dos nomeados ao melhor filme e consequentemente os nomeados também em outras categorias, quero ainda ver mais alguns até Domingo, dia 24, quando decorre a cerimónia dos Oscars mas a verdade é que até aqui não tenho favoritos eleitos, tenho palpites, coisas que me faziam felizes mas apenas isso.

Apesar de tudo tornei a fazer um Oscar Ballot para imprimirem e se divertirem este ano, com amigos, com família, sozinhos, como for. Se tudo correr bem vou estar no Facebook a mandar "postas de pescada" e a fazer um género de "comentário ao vivo" enquanto a cerimónia decorre e também durante a passadeira vermelha.



Enquanto não chega Domingo deixo-vos o Ballot para imprimirem, em versão A4. Este ano podem acompanhar a cerimónia na FOX que a vai passar em directo no nosso país. Maravilha, detesto ter de ver a cerimónia com comentários.


Acho que começa a parecer que o que me dá sempre vontade de vir aqui escrever e partilhar é o criar de publicações que funcionam como mote e tópico para discussões sobre assuntos que me vêem à cabeça e não me largam durante dias a fio. É verdade, mas de facto trazer conteúdo que gera burburinho e interacção pode ser o grande feito de alguém que tem um blog mas para mim é mesmo algo que me deixa contente. Sendo assim e achando que já perceberam bem o tema, vamos lá falar sobe isto.

Tenho ouvido com frequência falar-se sobre o desinteresse crescente não apenas por blogs mas mais especificamente pelos blogs generalistas ou de lifestyle. Parece que agora o que está a dar é apostar em blogs de nicho, onde se aborda um a dois tópicos apenas, do género "revista da especialidade" e pouco mais. Se por um lado faz imenso sentido, porque se torna mais fácil para alguém que quer pesquisar ou ler sobre um determinado assunto, ir a um blog em que o tema é só um, de minha parte acredito que os blogs mais generalistas e menos focado num só tema ainda têm o seu espaço, tal como tem uma revista que começa a falar sobre produto de beleza, passa por moda, tocando na actualidade e acaba com sugestões de locais a visitar e para onde viajar.

A meu ver, quando bem estruturado, um blog pode ter uma audiência abrangente, que tanto pode querer ler sobre viagens, como ler sobre cremes de rosto. Já por isso, e falo por mim e outros que conheço, temos separadores com cada tema para que ninguém tenha de andar a perder tempo com ler aquilo que não lhe interessa. 

Claro que os blogs são cada vez menos lidos, ainda existem grandes blogs contudo, mas o foco começa a incidir nas redes sociais de "gratificação instantânea" do género do Instagram. Nada contra isto, adoro e passo horas lá metida, adoro imagens bem pensadas, bonitas, que contem algo, mas entristece-me perceber que cada vez menos as pessoas lêem um parágrafo que seja, mesmo que seja numa rede social e que seja algo com mais de 2 linhas de texto. Vivemos numa era do resumo rápido, lido às três pancadas e na diagonal, porque se por um lado dizem não ter tempo, por outro não fazem por o ter e cada vez mais se vê o tempo a ser gasto noutras coisas.

Não digo com isto tudo que uma pessoa devia tirar 1 hora do seu dia para ler blogs, mas se ainda há que quem como eu escreva, obviamente não será para ter alguém a perguntar nos comentários algo que está explícito no texto. Por vezes penso se a interpretação de textos ainda é algo que se dê nas escolas nos dias que correm, se ainda se lêem textos, livros e tal, ou se apenas se ensina o que tem de se saber, empinar e pouco mais.

Com isto já acabei por me desviar do tema, sabem como sou, mas para mim os blogs de lifestyle não morreram, apenas têm de se fazer mostrar e marcar pela diferença, mesmo que sejam abrangentes, que tenham um grande leque de tópicos. Este ano será o 10º aniversário do The Paper and Ink, o meu blog que já esteve para ser "descontinuado" uma série de vezes, isto até eu me aperceber que tinha de voltar à sua essência mais pura, ao que fazia em 2009. Era o verdadeiro blog de lifestyle, falava sobre tudo, o que queria, o que fazia, não pensava em número, em parcerias, queria apenas contacto com pessoas, falar, escrever e procurar outros com interesses e paixões semelhantes.

O blog cresceu imenso em 10 anos, estagnou, tentou ser muita coisa mas agora é aquilo que eu gosto que seja, um bocadinho de tudo, com tópicos no cima da página para que ninguém se perca, para que não se aborreçam com coisas que não vos interessam. Em 10 anos dei a volta e voltei ao princípio, ao que me fazia contente e me incentivava a escrever.

Os blogs de lifestyle não morreram, os blogs de nicho são óptimos, mas os blogs são feitos por pessoas e essas pessoas são um misto de muita coisa, incluindo paixões, experiências, feitos e tanto mais. Algumas decidem partilhar o seu tudo, outras apenas o que adoram verdadeiramente. Ainda há muitos que procuram a fama e fortuna, é possível, mas também há aqueles que fazem isto por outros motivos, pela piada da coisa e voltar a essa fase é realmente uma lufada de ar fresco.

Estamos em Fevereiro e só agora aparece por aqui o primeiro conjunto do ano e não é nada de especial. Cada vez menos sinto vontade ou necessidade de tirar fotos ao que uso, talvez por ter um armário bem repetitivo e com poucas variações mas também porque prefiro aproveitar para estar com quem está por detrás da máquina ou quem me rodeia. Nada disto invalida o facto de continuar a adorar roupa, de gostar de combinar peças e acessórios, tons e texturas, especialmente no Inverno, mas para mim a relação com os OOTDs é de descontracção total, sem pressões. 

Esta blusa, que andava há alguns meses no meu armário à espera de de ser usada, vai ser alvo de um DIY para alterar a manga. É que a blusa foi mais uma das peças que recebi da Shein mas que mandei vir num tamanho exageradamente grande, e se no corpo ela até escapa por ser um corte já mais largo, na manga fica grande demais e se a quero usar - porque é mesmo perfeita para trabalhar - vai precisar umas alterações rápidas.

Também vos mostro aqui o meu grande achado de saldos, o casaco cinza da H&M que comprei a 35€ ao invés dos 99€ que custava originalmente. Tal como previsto tem sido usado imensas vezes, é super quentinho e fica bem com praticamente tudo, o que prova que realmente foi uma compra sensata.



Blusa c/o - Shein | Sobretudo - H&M | Jeans - Primark | Botins - Buffalo | Mala - Michael Kors




Podem usufruir de 15% de desconto - em compras superiores a 59$ - na área Plus Size da Shein com o código andink15



Pois é, parece que entre não escrever nada ou vir aqui lançar opiniões sobre produtos de beleza sem os quais já não vivo, acabo por preferir o segundo antes que o blog caía totalmente no abandono. Em boa verdade já tenho ideias para algumas publicações que quero fazer, essencialmente na área de viagens, mas enquanto o tempo é escasso para editar fotos, pesquisar e escrever sobre o assunto, trago-vos mais uma opinião rápida sobre algo que me conquistou.

Vamos colocar isto nestes termos, eu desde há muito que queria experimentar algo da Colour Pop. Tudo o que ouvia falar aliado ao bons preços pareciam-me ali uma coisa boa demais para acreditar. Mal de todos os males é que o raio da marca não se vende cá na Europa e uma pessoa não é feita de dinheiro para pagar portes de produtos vindos dos EUA e ainda transpirar a imaginar que a encomenda vai parar na alfândega. 




Surpresa das surpresas quando alguém avisa via IG que a Colour Pop estava com portes grátis para todo o mundo, sem mínimo de compra, ali em meados de Novembro. Lá vai a louca a correr ao site, correr cada página, cada categoria, num mete e tira coisas do cesto. Finalmente respirei fundo e decidi mandar vir a paleta Lit da colaboração Colour Pop x Bretman Rock porque as cores deixaram-me enamorada e porque o que mais me interessava eram mesmo as sombras da marca.

A encomenda demorou menos de uma semana a chegar, vinda directamente de Los Angeles, deixando-me assim numa pasmaceira única já que tal nunca me tinha acontecido. Abri, cheia de esperanças e dei de caras com uma paleta que me deixou logo excitadíssima. 

Foi logo colocada a uso e só vos digo que dois meses depois continua a ser usada quase sempre que me maquilho. Aquele primeiro tom, o Or Whatevah é perfeito para aplicar ali na pálpebra toda, como quem não quer a coisa e sair de casa com um look ao estilo "no make-up makeup!".

Na verdade a paleta tanto dá para um look básico como para algo de arrasar, especialmente com o Mercy metálico, divinal e que se aguenta como louco! Todas as sombras têm uma pigmentação para lá de boa, duram horas, não acumulam e ainda por cima parecem manteiga, sem esfarelar e aplicam que é um sonho.


Não estou a brincar quando digo que para uma paleta de 12$ faz frente a paletas de 60€ que ali tenho na gaveta.

Casa sombra tem 1,10gr de produto, o que dura um bom tempo, e sendo que a paleta tem um total de 8 sombras, estamos a falar de algo como 1,50$ (1,25€ dependendo da conversão) por sombra, uma pechincha autêntica. 

O único mal? Terem de esperar por uma oferta dos portes e terem ainda o cuidado de não exceder os 22€ em compras (arredondem para os 20€) para não terem a encomenda a ser parada na alfândega. A Colour Pop oferece os portes para todo o mundo em compras acima de 50$ mas já sabemos como é a nossa estimada alfândega.


A minha relação com o Boticário não é nova nem estranha por aqui. A marca foi das primeiras a assumir uma parceria comigo ainda o blog tinha pouco tempo e se no entretanto a parceria mudou bastante, nunca foi esquecida tal como nunca esqueci esta marca que conheci muito antes do blog, ainda na minha infância. 

Ainda tenho algures uma mala de plástico laranja que me foi oferecida em miúda com produtos da linha infantil deles, só para me recordar os bons velhos tempos. Porém o que melhor me lembra a marca é o perfume Acqua Fresca que foi o meu "primeiro perfume de adulta". Sim, tinha os meus nove ou dez anos quando me ofereceram aquela fragrância. Levezinha, fresca, muito simples e jovem. Eu adorei-a, tal como até hoje mantenho o meu amor por fragrâncias mais leves, se bem que passei mais ao floral e deixei mais de lado o cítrico.

Pois bem, no Natal apareceu-me em casa uma encomenda, já sabia de onde vinha mas a surpresa era o que lá dentro se encontrava. O New Acqua Fresca é um cítrico floral, mais ao meu gosto dos dias que correm e ganhou ali um lugar na minha área de perfumes em jeito de memória olfactiva e para usar quando preciso de algo que me lembre dos dias de Primavera, do sol quentinho, dos dias em que gosto de usar fragrâncias leves.

É um perfume cítrico floral, como vos disse. Tem notas de limão, maçã mas também de violeta, jasmim - que tanto gosto - e rosa. Tudo isto com cedro branco, musk e ambar, mas de um modo bem leve e agradável. Não dura horrores, é algo para se cheirar durante um par de horas, mas enquanto cheira lembra-me sempre tanta coisa boa.

O produto foi-me oferecido pela marca mas falo dele porque gosto, já sabem como isto funciona. Por norma os perfumes da marca têm sempre algo que me causa dores de cabeça, o que é triste já que há 1 ou 2 fragrâncias que gosto, mas a sorte parece que me sorriu com este já que não tem havido sinais de dor de cabeça de cada vez que o uso.


Podia até dizer "ano novo, novas rotinas" mas estaria a enganar-me a mim mesma e a vocês desse lado já que a mudança para esta rotina tem vindo a acontecer gradualmente desde há alguns meses. Na verdade desde há alguns anos para cá que a minha rotina de cuidados tem vindo a mudar drasticamente e nos últimos dois Invernos então a coisa tem sido totalmente diferente daquilo a que estava habituada até então.

Se a minha pele normal a mista adorava um bom hidratante em gel da Clinique, que comprei e recomprei durante anos e que ainda levo em algumas viagens, a verdade é que comecei a ter uma pele normal com tendência a seca, pelo menos em algumas zonas do rosto. Lá se foi a rotina de pele mista, lá se foram as coisas levezinhas e entraram em força os hidratantes ricos, as camadas de produtos para hidratar a pele, tudo o que de bom existe para dar um "glow" à coisa e entraram também os óleos, se bem que esta é mesmo a nova rotina de ano novo!

Apesar de uma mília chata e hereditária e a amiga rosácea que no Inverno chega em força. a minha pele está provavelmente no seu melhor estado desde há muito tempo. Claro que não tenho uma pele perfeita, uniforme e que dispensa qualquer base ou corrector, mas tenho notado sérias melhorias o que me deixa feliz e o que me incentiva a seguir as rotinas à risca.


Claro que aqui nem vos falo da parte da limpeza, do tonificar com o ácido glicólico da The Ordinary, do uso esporádico de uma loção maravilhosa hidratante da Erborian, ou as máscaras e afins.

Aqui mostro-vos a rotina de hidratação, aquela que já conta com o seus cinco a seis produtos, porque dependendo dos dias, a pessoa aqui junta mais uma coisa ou subtraí outra.

Contorno de olhos tem ficado a cargo da Collistar com este gel levezinho mas hidratante graças ao ácido hialurónico. Não me causa mília, hidrata, não pesa e costuma estar fresquinho nestes dias mais frios o que ajuda quando as horas de sono foram poucas. Ainda da Collistar o ácido hialurónico para aplicar gentilmente sobre todo o rosto, para promover aquela hidratação extra tão necessária, é o meu serum de eleição para estes dias, juntamente com o serum para pele com vermelhidões e sensível da Leti - que entretanto levou uma reformulação no packaging e agora está bem mais atractivo visualmente.

De modo localizado continuo a usar o Niacinamida e Zinco da The Ordinary para me ajudar a combater a malfadada mília. Produto maravilha, que vou recomprar já que cá em casa não sou a única a dar-lhe uso, tal é o seu efeito.

Depois de tudo isto ainda a rotina vai a meio e aí entra o meu adorado Ultra Facial Cream da Kiehl's, comprado em Madrid e que já está no fim mas do qual gosto tanto que não tarda compro outro. Comprei e tornarei a comprar a versão com SPF já que me permite usá-lo tanto de noite como de dia. É um creme rico mas não pesado, que hidrata bem, que não deixa uma camada gordurosa mas com o qual se sente hidratação. Talvez uma pele oleosa não o tolere às mil maravilhas, mas para normais, não muito secas e até mistas será uma óptima opção.

Mas como gosto de hidratar ainda mais aplico, antes de dormir claro, a máscara Sleep Spa da linha da Alex Steinherr com a Primark. É uma máscara muito leve, é, mas pode ser aplicada em camadas para uma hidratação ainda mais profunda. É uma máscara de noite, sendo que se aplica e se vai dormir, sem que seja necessário retirar a mesma. Como já tenho tantas camadas de hidratação por baixo é um passo extra que funciona bem, porém por si só, sozinho, comigo não tem grande resultado.

Finalmente o novo passo da minha rotina, um óleo! Cedi ao desejo e trouxe comigo o Midnight Recovery Concentrate também da Kiehl's. É um misto de óleos como o esqualeno, onagra e ainda óleos essenciais como o de Lavanda. É de aplicação nocturna, no final de todos os outros passos. Surpreendentemente nada pesado, cheiroso mas muito leve em aroma e que por enquanto tenho gostado mas sem ainda vos poder dizer muito mais, já que só o tempo e o uso mais prolongado poderão ditar uma sentença.

Para terminar mesmo, e este é um passo de repito várias vezes ao dia, o meu Cicaplast da La Roche-Posay, que já tem uns amigos ali em stock já que este vai no fim e não me imagino mais a viver sem ele. Se continuo a gostar imenso do Rêve de Miel da Nuxe, este é agora o meu grande amor, por não ter aromas, não ter ingredientes que causem um leve ardor em lábios gretados e por ter uma aplicação que não requer enfiar o dedo num potinho. Isso tudo aliado ao facto de poder usá-lo noutros pontos secos para além dos lábios.




Dia 26 de Dezembro começavam a aparecer as primeiras lojas em saldos. Até ao final dessa mesma semana, a dia 28, já todas as grandes marcas estavam em saldos, as lojas cheias, confusas e as peças marcadas com grandes descontos. Na verdade o que comprei foi coisa pouca, nada que precisasse realmente mas mantendo sempre em mente que seriam peças que quero usar bastante, não apenas desejos momentâneos.

Ao todo foram quatro as compras, nada mais que isso. Acho que o facto de ter dito para mim mesma que me iria desafiar a não fazer compras de roupa, maquilhagem e acessórios durante algum tempo em 2019, colocaram-me no caminho certo para não ir gastar rios de dinheiro quer em lojas físicas, quer online.

2018 foi um ano com alguns gastos extra e queria que em 2019 houvessem algumas viagens de quando em vez, algo que me levou à decisão de deixar as compras de lado por uns tempos. Isso aliado ao facto de eu ter tudo o que preciso, até em demasia e não precisar de comprar coisas novas para além do ímpeto consumista, do qual não nego sofrer.

01. Casaco de mistura de lã cinzento H&M
Este casaco, que na loja online ainda marca 69€, veio comigo da loja por 35€ apenas. Eu bem sei que tenho uma boa dezena ou quase de casacões de Inverno, mas infelizmente é meu ponto fraco e um sobretudo cinzento ainda não fazia parte do meu guarda-roupa. Dos 99€ originais paguei apenas 35€ e tenho-o usado quase todos os dias desde a sua compra. Se for como os outros casacos que tive da marca, é casaco para me durar uns 10 anos ou mais.

02. Boina cinzenta Pull&Bear
A verdade é que não foi em saldos. Apesar desta ser da Pull&Bear e estar a 3,99€ reduzida de 9,99€ , a minha é da Primark e custou 5€, uma vez que esta não havia em loja e comprar online implicava um custo extra de portes e ainda o tempo de envio e entrega. Adoro boinas, isso já muitos de vocês sabem, e depois de este ano ter recomprado uma vermelha e ter adicionado uma camel à colecção, senti que uma cinzenta fazia falta também para ter as cores básicas que posso usar com quase tudo.

03. Robe fino cinzento Women'Secret
Não é o da imagem, mas todo ele é igual com a excepção de o meu não ter a zona rendada nos ombros. O meu, tal como este, é da Women'Secret e veio por 8,99€ sendo que o preço original era, se não estou em erro, de 32,99€. Tinha falta de robes finos, para vestir por cima de algo, e em especial para o tempo de meia estação em que os robes mais quentes se tornam pesados e grossos demais.

04. Mocassins Grená Pull&Bear
Não era uma compra necessária mas sim algo que queria faz tempos. Apesar de estarem descritos como grená, ao vivo o tom acaba por puxar mais ao castanho, tornando-o um sapato bem clássico e perfeito para quase todo o ano. Originalmente a 29,99€ custaram 12,99€ e vão ser colocados rapidamente a uso, isto porque o primeiro número que encomendei era demasiado pequeno e tive de voltar a fazer a encomenda num tamanho 2 números acima.







Joana, 28 anos e natural da cidade do Porto. 
Sou uma fotógrafa de profissão, louca por viagens e sempre com demasiadas opiniões para dar. 
Este é o meu blog no qual escrevo desde 2009 e ele já mudou tanto quanto eu mudei ao longo destes últimos, quase, 10 anos.

INSTAGRAM