Parar, pensar e ser feliz


Não tenho andado muito pelo blog, a verdade tem de ser dita e hoje mesmo pedi desculpas por esse mesmo facto na página do Facebook. Para dizer verdade não é falta de motivação, nem falta de ideias, nada disso, apenas tenho tido falta de tempo (e com cansaço aliado) porque me tenho focado imenso no meu trabalho. É sobre isso que vou falar, entrar por um lado um pouco mais pessoal e um registo menos usual aqui no blog mas que sei que vocês merecem saber porque muitos desse lado me têm acompanhado e dado ainda mais força.

Muito de vocês sabem que ingressei em 2010 no curso de Artes Plásticas na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Muitos sabem que se no princípio tudo era maravilhoso por ter entrado na faculdade que mais queria e aonde muitos nunca conseguem ser colocados, poucos sabem que os últimos anos foram penosos e acabei por não terminar o curso, sendo que de momento tenho a matrícula congelada por vontade própria.

Não vou falar muito sobre as razões que me levaram a tal, digo apenas que me desapontei muito com o que o curso e as pessoas envolvidas tinham para oferecer, e sou daquelas que não consegue acabar algo quando está desmotivada e se sente literalmente forçada a todos os dias sair da cama para ir para um local que a deixa deprimida e a sentir-se mal. Depois de cinco anos na faculdade (o curso é de quatro mas eu andei literalmente a arrastar) decidi parar, congelar e arregaçar as mangas.

Hoje em dia uma licenciatura não nos garante nada, na minha área mesmo os licenciados não encontram emprego, e se sempre tive aquela ideia de que tinha de ser uma licenciada à força toda, hoje percebo que talvez devesse ter apostado noutro caminho e ter sido mais feliz. Mesmo assim agradeço por tudo o que passei, bom e mau, pois trouxe-me até aqui.

Tive a sorte de pelo caminho me cruzar com pessoas maravilhosas e pessoas que acreditaram em mim, no meu potencial e me levaram "debaixo da asa" para eu sair do meu "mundinho" e conseguir finalmente "levantar voo".

A fotografia sempre foi uma paixão e foi muito cedo na faculdade que percebi que afinal era aquela paixão que eu queria seguir para o resto da vida. Acabei por passar de paixão a trabalho, mas é daqueles trabalhos que para mim é como se não fosse trabalho, não me pesa, não me cansa (mentalmente, porque fisicamente consegue ser desgastante) e faz-me feliz.

Já dei muitos passos em direcção a este sonho, fotografei parte do meu primeiro casamento em Março de 2014 e aí descobri o bichinho que fotografar casamentos é. Se antes só queria ser fotógrafa na área de moda e retrato, hoje me dia vejo-me a fazer casamentos para toda a vida se for preciso. Tive quem me agarrasse e me desse uma oportunidade, uma amiga que é mentora e que é uma das pessoas mais maravilhosas que a vida me trouxe (e a internet também, já lá vão 8 anos). Continuo a fotografar com ela, a aprender com ela, mas abri as minhas asas sem medo de voar sozinha e até agora não caí.

Ainda não dá para pagar as contas, fazer muito, mas devagar se vai ao longe e eu acredito que consigo e que posso. 

Isto tudo para dizer que por vezes só precisamos de parar, pensar e ser feliz, mesmo que para isso tenhamos de mudar tudo e cortar com certas coisas, pessoas e ideias.








Joana, 28 anos e natural da cidade do Porto. 
Sou uma fotógrafa de profissão, louca por viagens e sempre com demasiadas opiniões para dar. 
Este é o meu blog no qual escrevo desde 2009 e ele já mudou tanto quanto eu mudei ao longo destes últimos, quase, 10 anos.

INSTAGRAM