SLIDER

Olá, eu sou a Joana - a cara por detrás do The Paper and Ink. Vinte e muitos anos, natural e residente da belíssima cidade do Porto, sou uma fotógrafa e blogger que em 2009 criou este espaço em busca de uma maneira de dar a conhecer ao mundo a minha voz, as minhas ideias e paixões. O TPI é um lifestyle blog, ou seja, é um pouco de tudo o que marca a minha vida, me apaixona e que acredito ser importante partilhar.


O meu primeiro BuJo


Depois de vos ter falado por aqui sobre o início do Bullet Journal, pelo menos para mim, recebi várias mensagens e perguntas que me deixaram ainda mais extasiada com este novo mundo de ter uma agenda 100% personalizada e criada à minha medida. Tal como vos tinha prometido que iria eventualmente partilhar o meu BuJo, decidi que não ia esperar muito tempo para vos dar uma vista de algo a que me rendi tão rapidamente.

Desde há muito que sou fã assumida de agendas, algo que nunca dispenso e que me ajuda a acalmar os meus "medos" de pessoa organizada. Aponto detalhes, eventos, coisas a fazer, literalmente tudo ou quase tudo. Sou de fazer planos mas sentia sempre que me faltava algo nas agendas que foi mais pessoal, mais completo e o Bullet Journal dá-me essa liberdade, tanto em termos de o que ter lá como em termos de design.

Claro que, em termos de perspectiva pessoal, ainda cometo vários erros que me chateiam, por vezes o design não sai como quero e sem dúvida que quero encontrar um caderno melhor já que este primeiro veio mesmo para ser um "caderno de testes".

Falo-vos então um pouco mais sobre este meu primeiro Bullet Journal e o que lá tenho até agora.



O caderno escolhido tinha de ser pontilhado. Isso era algo que para mim nem ia ser de outro modo. Por cá já começam a aparecer opções, mesmo não sendo propriamente baratas. Se por um lado queria bastante um Leuchtturm1917 achei que para começar algo que provavelmente ia ser uma experiência, não era a melhor ideia dar mais de 15€ por um caderno por mais bonito que fosse. Acabei por encontrar um caderno da Mr.Wonderful, da edição especial Cooper Collection, e que estava a menos de 8€ na FNAC. Veio logo comigo tendo assim encontrado a desculpa perfeita para arrancar na aventura do Bujo.

Sobre o caderno em si. As páginas tem cerca de 90gr (não sei precisar porque não encontro especificações sobre isso mas pela experiência colocaria-as nesta categoria, talvez entre os 80-90), são de um tom branco e não amarelo como alguns outros cadernos. O caderno tem uma abertura quase total em modo flat, se bem que por vezes o temos de forçar a abrir devidamente. O pontilhado é escuro, num tom preto que se nota bem, algo que não é das coisas que mais gosto mas como disse é um caderno de experiência, mas não o tornaria a comprar numa segunda oportunidade. 

Tenho por norma escrever sempre a preto, foi um hábito que ganhei e não consigo realmente escrever com canetas azuis a não ser que esteja a anotar algo. Uso quase sempre canetas de gel para a escrita se bem que não tenho usado a minha favorita, a Pilot G-Tec-C4 de 0.4mm. Prefiro sempre canetas de escrita fina e noto muita diferença para as de 0,5 como a que tenho usado da Uni-Ball Signo.

Fora das canetas de escrita uso um pouco de tudo já que nunca me faltam canetas coloridas, canetas estilo aguarela, lápis de cor e tanto mais. Vício de estudante de artes e acumuladora obsessiva de estacionário.


Quase todo o BuJo que se preze tem um Index e uma lista de Keys ou Bullet Keys. Comigo foi igual. Criei logo um index no qual aponto as páginas e correspondentes secções e um Bullet Keys muito normal com marcações chave sobre a progressão de tarefas e marcações da mesmas.

Algo que podem notar é que escrevo quase sempre em inglês, mas isto é mesmo uma escolha pessoal e muitas vezes misturo português pelo meio. Como disse, é uma escolha pessoal e o Bullet Journal é assim mesmo, feito à medida do que queremos e precisamos.


Os primeiros meses do meu Bujo em modo calendário. Optei por este método para os meses restantes de 2018 mas já fiz diferentes nas páginas seguintes para 2019. Aqui ainda mantive espaço ao lado de cada mês para apontar os eventos mais importantes do mês, já para 2019 fiz os meses todos seguidos e apenas marquei as datas de feriados e outros.


Os Future Logs são óptimos para se ter uma ideia geral daquilo que vem no futuro sem termos de criar páginas intermináveis de meses futuros. Criei logo os 4 meses finais de 2018, 1 por páginas e vou lá apontando as datas importantes, como casamentos, sessões, coisas a fazer e tanto mais.


A Lista de Aniversários é uma escolha pessoal. Neste caso foi um design que acabei por nem adorar com balões para cada mês. O BuJo é mesmo uma série de tentativas, erros e experiências e apesar deste tipo de spread funcionar não é visualmente algo que me deixe feliz.

Os Spreads são as páginas ou secções interiras específicas para cada tema ou tracker. Spreads tradicionais são os Future Logs, Calendários, Anivesários, Weekly Spreads e outros. Depois os spreads pessoais são por exemplo Livros Lidos, Hábitos, Viagens e tanto, tanto mais.


Outro spread que adoro mas que não correu totalmente como tinha idealizado foi a minha página de Washi Tape. Assim vou colando pedacinhos de todas as novas fitas que compre e sabendo aquilo que tenho para usar. Muita gente usa imagens impressas, recortes e colagens no seus Bullet Journals tornando-os realmente únicos. Eu pessoalmente adoro os washi para dar cor, demarcar certas páginas ou até mesmo cobrir erros.


As minhas páginas de Pen Swatches que vai crescendo a olhos vistos e ainda não está completa. Esta página ajuda-me caso procure uma cor específica ou para saber o que tenho que ainda funciona e que possa ser usado tanto no BuJo como em qualquer outra coisa.


O meu Financial Tracker é um spread muito pessoal mas que para mim era essencial. Levo as minhas despesas de modo controlado, aponto tudo, cada cêntimo que entra ou que é gasto e sei sempre o que tenho e com o que posso contar. Acho que isso me ajuda a definir objectivos, saber quando posso fazer algum gasto extra ou quando me tenho de controlar para atingir um objectivo e comprar algo que quero ou preciso, como material novo para trabalhar que é sempre um gasto enorme mas necessário.


Finalmente as primeiras páginas do meu mês de Setembro e os weekly e general spreads. Tenho experimentando imenso com os spreads semanais até encontrar algo com o qual me sinta totalmente satisfeita. Quando ao spread geral ainda está longe de algo que goste mas para já resulta e é mesmo uma sucessão de ir tentando, errando e melhorando.



Que acham destas primeiras páginas do Bullet Journal? Contêm-me experiências vossas, sugestões ou até mesmo dúvidas que tenham.

2 comments

  1. Adorei :) Não tenho bullet journal, apesar de estar seriamente tentada a experimentar um. O caderno pontilhado parece-me uma ótima opção :)

    ReplyDelete
  2. Estou aqui com uma inveja tramada, mulher! Acho que acabei por desistir do meu porque estava a ficar um trambolho, for real, mas ver isto dá-me vontade de voltar a pegar nele!

    ReplyDelete

Cookies, Política de Privacidade e Segurança

© The Paper and Ink